quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

A INDIGNAÇÃO IMPRODUTIVA.

A indignação pode ser um sentimento positivo, como no caso da indignação em face dos salários miseráveis que os Bombeiros, Policiais Militares e Policiais Civis do Rio de Janeiro recebem do governo estadual, desde que ela faça com que os indignados se mobilizem e lutem  nas ruas e de peito aberto, exercendo as suas cidadanias plenas, como estamos fazendo há alguns anos. Todavia, também existe a indignação improdutiva, aquela que fica só nas lamentações e/ou aquela na qual não existe motivo para a indignação, as causas são inventadas, não existem no mundo real.
Nos últimos dias, alguns comentaristas do nosso blog estão acometidos dessa indignação improdutiva, pois as causas não existem. Eles me acusam de estar defendendo o Tenente Coronel PM Cláudio e o Coronel PM Beltrami nos artigos que tenho publicado, alegando que se fossem Praças isso não estaria ocorrendo. 
Prezados comentaristas, não se indignem por fatos que não ocorreram, isso é desgaste puro.
Não posso nem defender e nem acusar os referidos Oficiais, pois só conheço da investigação o que foi publicado na mídia, portanto, só posso fazer comentários e tenho tido o cuidado de destacar sempre que se surgirem novos fatos na imprensa, posso mudar a minha opinião.
No caso do Cláudio eu comentei que se o que existe contra ele é apenas o que foi reproduzido nas centenas de artigos publicados na imprensa,  ele não será condenado, isso em condições normais de julgamento. Apenas expressei a minha opinião, usei a minha liberdade de expressão. Além disso, critiquei várias vezes (e continuo criticando) o desrespeito às prerrogativas de TODOS nós Policiais Militares, ativos e inativos, em razão do acautelamento dos Oficiais e Praças investigados pelo assassinato da juíza Patrícia em presídio comum. A partir desse desrespeito, TODOS nós poderemos ter o direito de ser acautelado em uma OPM violado, não podemos aceitar esse abuso contra nós.
Veio a prisão de Beltrami e novamente comentei que se o que existia contra ele era apenas o que a imprensa tinha publicado, não existia razão para ele estar preso. Livre manifestação do pensamento, mais uma vez e parece que o desembargador manifestou opinião semelhante diante de sua decisão pela soltura do Oficial. Critiquei também o que, em tese, pode configurar uma violação de sigilo funcional, por parte de quem cedeu para a imprensa um trecho da gravação, isso em conformidade com a legislação, como demonstra o contido em artigo que publiquei.
Por favor, não fiquem indignados com o que não está acontecendo, isso é perda de tempo.
E, por derradeiro, a acusação de que não me manifestaria se eles fossem Praças. Me perdoem, mas escrever isso demonstra que o comentarista não nem o blog e nem jornais. Na minha época de Corregedor Interno me expus publicamente (foram publicadas várias matérias na imprensa) e cheguei a ser ameaçado de ser processado por defender Praças em razão de investigações que tinham sido mal feitas em minha opinião e diante do que conhecia delas. Cito duas: Uma foi no caso da tentativa de homicídio do delegado da PCERJ Alexandre Neto, caso em que figuro como testemunha de defesa dos PMs do 19o BPM até a presente data. Outra foi na Operação Duas Caras da PCERJ, envolvendo Policiais Militares do 15o BPM, quando chegaram a alegar que eu estava obstruindo a ação da justiça, quando fui em defesa dos PMs.
Comentaristas indignados, usem a indignação de forma positiva e participem dos nossos protestos, venham ombrear com os Bombeiros Militares que tanto têm se sacrificado na luta por melhores salários para eles e para os Policiais Militares. Aliás, na semana que vem teremos um ato público, conforme publicarei no próximo artigo, venham e será um prazer abraçá-los.
Juntos Somos Fortes!

4 comentários:

Anônimo disse...

Sr. Cel Paúl, há dias atrás encontrei-me com um Sargento no Shopping Grande Rio, que serviu sobre o seu Comando, e em conversa, disse-me que o senhor sempre foi um Oficial íntegro e amigo. Então endaguei-o. Por quê motivo leio comentários que ele não foi chegado aos praças? "Não tem nada a ver, o Cel Paúl é gente fina". Como conheço o Sargento e o mesmo serviu comigo, passei a ter uma outra visão do senhor, bem como aprecio, a sua abertura Democrática no seu Blog. Abçs...

Ricardo Oscar vilete Chudo disse...

A demanda com o senhor é a antiga demanda de praças que não sabem se contrapor aos desmandos de alguns oficiais, então, generalizam. Faltam argumentos quando ameaçados com ilegalidade e, quando realmete são culpados, procuram atingir a todos, tendo em vista a não absolvição.

Anônimo disse...

Isso nada mais é,do que as tantas covardias sofridas aos longos anos pelos praças,prisões arbitrárias ainda continuam acontecendo,as operações Tingui e Gladiador são um belo exemplo,cada um se manifesta de uma forma, a impunidade perante aos oficiais é constante,e agora que a polícia resolve prender os oficiais corruptos,muitos outros(oficiais),se manifestaram em defesa dos seus pares,vi muitos praças serem injustiçados e ainda continuo vendo,e não apareceu nenhum oficial ou comandante em defesa do seu subordinado,seja na Televisão ou não,eu nunca vi ou ouvi um culpado confessar,verificamos agora,os oficiais sentindo na própria carne como é ser injustiçado ou não na PMERJ,que a justiça no final seja feita.

Ricardo Oscar vilete Chudo disse...

Fui muito injustiçado por covardias de oficiais, mas luto pela restauração da ilegalidade que seria muito mais fácil se os praças, testemunhas do fato, não mentissem para acobertar oficial me causando um enorme prejuizo administrativo. Embora presentes no local dos fatos, depuseram que não ouviram nem viram nada. O que me leva a crer que os praças também são culpados pelas ilegalidades praticadas contra seu igual.