sábado, 13 de agosto de 2011

O MAIS NOVO GRANDE MISTÉRIO QUE ESTÁ OCORRENDO NO RIO DE JANEIRO.

O grande mistério!
No dia 03 de junho de 2011, o governo Sérgio Cabral (PMDB) que tinha o DEVER LEGAL DE IMPEDIR que Bombeiros Militares (desarmados, em trajes civis e acompanhados de familiares) saíssem da ALERJ, caminhassem pelas principais ruas do Centro do Rio de Janeiro (5 quilômetros) e tomassem o Quartel General do Corpo de Bombeiros, ao invés de cumprir os seus deveres, facilitou e incitou essa tomada de todas as maneiras, não adotando qualquer medida preventiva/repressiva para evitar essa completa desmoralização de todo aparato de segurança pública.
As principais responsabilidades por essa omissão criminosa recaem em tese sobre o próprio governador, o secretário de segurança pública e o comandante geral da PMERJ.
Eu filmei tudo, portanto, as provas são irrefutáveis.
Em 36 minutos, a retratação de toda omissão/criminosa e do incitamento à invasão (link do vídeo).
Logo após ter filmado tudo, quando estava em frente ao QG (não entrei), fui retirado do local sob escolta, difamado e preso ilegalmente por quase três dias por ação do comandante geral da PMERJ, além de ter sido vítima de outros constrangimentos no perído em que permaneci preso no BPCh.
No intuito de facilitar o entendimento sobre a omissão/criminosa, eu demonstrei o ocorrido didaticamente no Largo da Penha, contando com o apoio da população (link do vídeo).
Após tanta permissividade e ilegalidade, inexplicavelmente, poucas horas após a tomada do QG do CBMERJ, esse mesmo governo estadual, representado diretamente pelo comandante geral da PMERJ, promoveu uma operação de retomada desastrosa, tendo como resultado final: 439 Bombeiros presos; 2 Policiais Militares presos, uma morte (parto prematuro), feridos e danos ao patrimônio público.
E começa o grande mistério.
Eu comuniquei através de documentos a minha prisão ilegal e a conduta omissiva/criminosa do governo Sérgio Cabral (PMDB) a inúmeros órgãos públicos, dentre eles:
- Presidência da República;
- Presidência do Supremo Tribunal Federal;
- Presidência do Senado Federal;
- Presidência do Tribunal de Justiça/RJ;
- Presidência da ALERJ;
- Procurardoria Geral de Justiça/RJ;
- Juízo da Auditoria de Justiça Militar/RJ (AJMERJ);
- Comissão de Direitos Humanos da ALERJ;
- Secretaria de Segurança Pública;
- Comando da Primeira Região Militar; e
- Corregedoria Geral Unificada.
O Ministério Público e a Defensoria Pública, ambos da AJMERJ, foram comunicados verbalmente.
Comuniquei também à Ordem dos Advogados do Brasil/RJ e a Associação Brasileira de Imprensa/RJ.
O grande mistério:
Setenta dias depois dos fatos, não tenho qualquer notícia sobre a instauração de CPIs, de Inquéritos Policiais ou de Inquéritos Policiais Militares para apurar as condutas do governador, do secretário de segurança e do comandante geral da PMERJ.
Qual é a explicação para a não instauração?
Prezado leitor, caso você queira lutar contra esse absurdo, esse primeiro passo para a impunidade, copie esse artigo e encaminhe para todos os órgãos de imprensa, para blogs/sites pessoais de jornalistas, para seus familiares e amigos, além disso, divulgue nas redes sociais.
Vamos tentar formar uma corrente para pressionar a instauração das apurações.
Basta de impunidade no Rio de Janeiro.
JUNTOS SOMOS FORTES!
PAULO RICARDO PAÚL
PROFESSOR E CORONEL
Ex-CORREGEDOR INTERNO

4 comentários:

Ricardo Oscar vilete Chudo disse...

Vários dispositivos Constitucionais e infraconstitucionais infringidos e os detentores do Poder/Dever inertes.

Anônimo disse...

José Dirceu prega união do PT e aliados para matar a PEC 300
Acusado de corrupção ativa e formação de quadrilha, José Dirceu prega união do PT e aliados para matar a PEC 300.


Em matéria publicada no Correio do Brasil deste sábado (13/8), o ex-ministro José Dirceu (acusado de corrupção ativa e formação de quadrilha pelo suposto esquema de pagamento de propina a parlamentares da base aliada para aprovação de projetos de interesse do governo na gestão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.) cobra unidade do PT e aliados para não votar em segundo turno a Proposta de Emenda Constitucional (PEC-300), “que equipara salários de policiais” por que “não pode ser aprovada como está”.

Entrando em contradição, José Dirceu responsabiliza os governos estaduais ao afirmar que são eles “que não querem votar” “já que uma parte deles não cumpre a Constituição e não destina à área os recursos obrigatórios.” Segundo Dirceu, os governadores “alegam que os Estados não têm recursos para arcar com essas despesas e querem transferí-las, via um Fundo, para a União.“

Mais adiante, acaba revelando que o governo não deve aceitar “despesas” milionárias ao arcar com a complementação salarial aos bombeiros e policiais: “Mas, não podemos votar a PEC 300 [..] da forma como estão redigidas, aceitando despesas bilionárias, populistas e demagógicas embutidas pela oposição.”

Para conhecimento desse cidadão, a redação final da PEC 300 foi modificada e redigida por pressão (para não dizer, imposição) de um correligionário seu, deputado Cândido Vaccarezza (PT/SP), outro algoz da PEC 300. Dirceu, como os demais que o acompanham, vê despesa onde o seu governo deveria ver como investimento alocar recursos em segurança pública. Parabéns José Dirceu, os bombeiros e policiais brasileiros agradecem.

Autor: Capitão Assumção

Anônimo disse...

Informe do DIA: Confortável maioria de Cabral na Alerj sofre abalo

POR FERNANDO MOLICA

Rio - A confortável maioria de Sérgio Cabral na Assembleia Legislativa sofreu um abalo nesta semana. O terremoto começou no PMDB: quatro, dos 12 deputados do partido, não apareceram para votar o aumento dos professores.

Os parlamentares queriam que pelo menos um deles tivesse sido convidado para comandar uma secretaria no governo. Como a nomeação não saiu, deram uma cutucada em Cabral. Os problemas não param por aí: dos 11 deputados do PDT, dois não foram ao plenário e três votaram em propostas que contrariavam o Palácio Guanabara.

Bronca do PT

Dos seis petistas, dois não foram votar e quatro apoiaram o aumento de 26%, condenado pelo governo. Os deputados cobram a criação de uma Subsecretaria da Mulher na Secretaria de Assistência Social, comandada por Rodrigo Neves (PT).

Mais infiéis

O PSC, que tem uma secretaria no governo, também entrou na onda. De seus três votos, dois ficaram com a oposição. No fim das contas, a debandada não foi suficiente para derrotar Cabral, mas deixou muita gente assustada.

Anônimo disse...

Caros Leitores, em especial Cel Paúl, fiquei chocado ao tomar conhecimento que os alunos do curso de SD no CFAP agora estão tendo que pagar pelo fardamento e pelo material didático, olha que absurdo a que ponto esta chegando esse governo do estado, na minha época isso a mais de 29 anos atrás, para podermos estudar tínhamos que pagar propina dentro das unidades, que era dividido entre o SGT e o OF CMT da CIA, bom então o policia tinha que arrumar dinheiro na rua, vc devem saber como, agora mesmo antes de se formar o aluno tem que arrumar dinheiro na rua. E não sei não mais acho que se o mundo não acabar de fato em 2012, vai ser o corra que a policia vem ai. Em tempo será que os alunos da ESFO também estão pagando ???????????