segunda-feira, 11 de julho de 2011

VERGONHOSO SEM DÚVIDA, COMO O SEU SALÁRIO E A SUA INCOMPETÊNCIA, SENHOR SECRETÁRIO DE SEGURANÇA.

O secretário de segurança, delegado da Polícia Federal, José Mariano Benicá BELTRAME, disse que a possível participação de PMs na morte de Juan é uma vergonha.
Eu concordo.
"O GLOBO
Crítica
Beltrame declara que caso Juan é 'vergonhoso' e exige transparência
Publicada em 10/07/2011 às 14h30m
Duilo Victor (duilo.victor@oglobo.com.br)
RIO - O secretário de Segurança do Estado, José Mariano Beltrame, disse, na manhã deste domingo, que o caso do menino Juan - morto no mês passado durante uma operação policial na comunidade Danon, em Nova Iguaçu - o envergonha e que, de agora em diante, sua secretaria terá de agir de maneira "exemplar e muito transparente" para punir os responsáveis.
- É triste, e, para mim, particularmente, é até vergonhoso. As polícias Civil e Militar estão fazendo um trabalho inimaginável - disse Beltrame em referência às Unidades de Polícia Pacificadoras (UPP), para completar em seguida. - A mesma instituição policial que faz isso (morte do menino Juan), se for verdade, é a que atua na pacificação. A gente fica triste por existir esses dois lados (leiam)".
Comprovada a responsabilidade dos PMs, uma vergonha, sem dúvida.
Como foi uma vergonha gigantesca o equívoco da sua Polícia Civil, caro secretário, ao errar na identificação do corpo, uma desmoralização.
Vergonhoso também são seus vencimentos, equivalentes ao salário mensal de quase 50 (cinquenta) Policiais Militares.
E, extremamente vergonhosa é a sua incompetência na gestão da segurança, fato comprovado algumas vezes, como no dia 03 JUN 2011, quando Bombeiros desarmados, percorreram quase 5 km (ALERJ - QG do CBMERJ) a pé, invadindo e tomando um quartel no Centro do Rio de Janeiro.
Aliás, vergonhosa só não, criminosa também, caro secretário, como tenho denunciado em vários órgãos públicos.
JUNTOS SOMOS FORTES!
PAULO RICARDO PAÚL
PROFESSOR E CORONEL
Ex-CORREGEDOR INTERNO

10 comentários:

Ricardo Oscar vilete Chudo disse...

Incrivel!! Vergonhoso para eles só os atos de outros. E os deles? São ainda mais vergonhosos, na medida que influenciam os demais.

Anônimo disse...

A DENÚNCIA IA SER FEITA AO MP DE "SÃO PAULO".
A DESMORALIZAÇÃO E O DESCRÉDITO DE ALGUMAS INSTITUIÇÕES NO RJ É PREOCUPANTE.

XXX XXX XXX

Blog do jornalista Cláudio Humberto

11/07/2011 | 00:00
ESTATAL DO RIO INVESTIGA VIAGENS DE DIRETORES

Escaldado com os passeios do governador Cabral (PMDB) em jatos e helicópteros amigos, o presidente da estatal de águas e saneamento (Cedae) Wagner Vícter mandou abrir sindicância para apurar denúncias de que três diretores viajaram à Europa e EUA com tudo pago pela Piralise do Brasil, fornecedora mundial de centrífugas para tratamento de esgoto e detentora de contratos milionários na estatal.

NERVOS DE AÇO

A filha do diretor de produção da Cedae, Jorge Briard – responsável pelos contratos – é funcionária da Piralise. Vícter está uma arara.

SÍNDROME DE CABRAL

Vícter, que sonha com o Legislativo, só se mexeu após o denunciante, ex-diretor da Cedae, ameaçar representação no Ministério Público-SP.

Anônimo disse...

Blog "Alguém me disse"

SONHO DE UMA NOITE DE INVERNO
10 de julho de 2011 por Dacio Malta

A ‘Veja’ desta semana publica uma reportagem com o título:

”Um governador rumo à cadeia”.

Mas explica em seguida:

“Sim, mas isso é nos Estados Unidos, em Illinois”.

* * *
Aqui ainda chegará o dia…

Anônimo disse...

Reprodução do jornal Estado de São Paulo on line


A Polícia do Rio tem uma dívida acumulada de pelo menos 60 mil homicídios não esclarecidos, a maioria ocorrida nos últimos dez anos. Entre as vítimas, 24 mil sequer foram identificadas. Os números foram levantados pelo Ministério Público do Rio para cumprir a meta estabelecida pela Estratégia Nacional de Justiça e Segurança Pública (Enasp), do Ministério da Justiça, que pretende elucidar ou arquivar todos os homicídios registrados até 31 dezembro de 2007.

Levantamento da Divisão de Homicídios (DH) mostra que na capital fluminense, que concentra a maioria dos homicídios, a elucidação pouco evoluiu. A divisão, criada em janeiro de 2010, esclareceu em seu primeiro ano de funcionamento 14% dos 1.425 homicídios dolosos.

Em 2007, análise do sociólogo Michel Misse apontava que no mesmo prazo a polícia esclarecia 11% dos assassinatos. Em 1994, o antropólogo Luiz Eduardo Soares apontou que 7,8% destes crimes eram denunciados ao MP com a autoria identificada em dois anos de investigação.

Nesta semana, a população teve mais uma demonstração das limitações da polícia: a investigação sobre o sumiço de Juan Moraes, de 11 anos. Ele desapareceu em 20 de junho durante ação da PM em Nova Iguaçu, mas a busca começou 9 dias depois. Uma testemunha, Wanderson de Assis, de 19, foi preso como traficante e depois ingressou no Programa de Proteção à Testemunha.

A perícia nas viaturas policiais foi feita uma semana depois e encontrou sangue. No dia 30, a Polícia Civil anunciou que uma ossada havia sido achada, mas a perícia disse que era uma menina. Uma semana depois, o exame de DNA provou que os restos mortais eram de Juan. A perita e o delegado foram afastados e os quatro policiais suspeitos de matar Juan e ocultar o cadáver estão sendo investigados.

O Rio está perto da média nacional de 8% de elucidação dos crimes, segundo o Mapa da Violência 2011. Países europeus e os Estados Unidos trabalham com média de 70% a 80%, embora registrem bem menos crimes do que o Brasil. Entre os homicídios não solucionados no Rio, o último caso de grande repercussão foi o da engenheira Patrícia Amieiro, cujo corpo está desaparecido desde 14 de junho de 2008, depois de seu carro ser atingido por disparos de PMs, ainda não julgados.

Gestora do Enasp no Rio, a promotora Renata Bressan diz que parte do problema é do Judiciário. "Não é só a polícia que é culpada. Em algumas comarcas, o número de processos ficou alto, porque juízes se negam a arquivar casos. Quando promotores acumulam muito trabalho, eles passam a trabalhar por amostragem." Segundo o Conselho Nacional do Ministério Público, Minas ocupa o segundo lugar no ranking dos homicídios não esclarecidos, com 20 mil casos. São Paulo teria 1,2 mil.
Falhas. A promotora aponta que a má gestão do programa Delegacia Legal, criado em 2000, contribuiu para o alto número de inquéritos inconclusos. Para cada Delegacia Legal, uma Delegacia de Acervo Cartorário (Deac) era criada para finalizar os inquéritos antigos e permitir que distrito informatizado começasse do zero. Caberia à Deac investigar os casos inconclusos, o que não aconteceu. "Na prática, o acervo cartorário virou um cemitério de inquéritos."
.

GLADIADOR disse...

E a atitude vergonhosa do Governador o Secretário não fala nada?

Anônimo disse...

Acredito q essa noticia deveria ter espaço no seu blog:

MP-RJ denuncia 8 PMs após 6 mortes durante operações em comunidades

Homicídios, em 2007, foram registrados como autos de resistência.
Promotor pede suspensão da polícia e cassação de porte de arma.

O Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) ofereceu, nesta segunda-feira (11), quatro denúncias por homicídios qualificados registrados como autos de resistência. O titular da 6ª Promotoria de Investigação Penal (PIP) da 1ª Central de Inquéritos, promotor Alexandre Themístocles, acusa oito policiais militares de matar seis pessoas durante incursões em comunidades do Rio. O MP pede a suspensão do exercício da função policial militar e a cassação da autorização de porte de arma de fogo.

integra: http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2011/07/mp-rj-denuncia-8-pms-apos-6-mortes-durante-operacoes-em-comunidades.html

Anônimo disse...

BOMBA !!!
Realmente Cabral vive um inferno astral...

Tá melhor que a fofoca da princesa de Mônaco que ia fugir do casamento
na 6a.feira dia 01/Julho!(Novela que se passa no Leblon)...

Coronel, não sei se vc já sabe mas o Cabral era amante da Fernanda Kfuri, que morreu no acidente junto com seu filho de 2 anos.

Ela era irmã da Jordana Kfuri Cavendish, mulher do dono da Delta,
Fernando cavendish.

A Adriana, mulher do Cabral, soube há uns 3 meses e pediu a separação.
Ele saiu de casa.

Mas parece q agora voltou só de fachada, para não aumentar o
escandalo. Seu luto e dispensa
do governo até dia 26/6 não era pela morte da namorada do filho, mas pela morte da própria namorada.

Ele estava apaixonadíssimo...! Estava tudo em casa. Fernando Cavendish, um mau caráter no meio da engenharia, apresenta sua cunhada ao Governador, ele se apaixona e fica tudo em casa hahahahahaha!!!!! PQP é demais!!

Fiquei sabendo disso semana passada, uma filha de uma grande amiga minha, um pouco mais velha que eu, era uma das melhores amigas das irmãs Kfuri. Mas essa semana, em um texto do Ricardo Noblat, ele escancara qd se refere a AMANTES que morrem sem abrir o bico.

O negócio está muito feio para o lado dele e do Fernando Cavendish.
Inclusive, in OFF, soubemos que o Fernando Cavendish já procurou o Nelio Machado, um dos maiores advogados do Rio. Espero que não de em Pizza, mas com tanto $$$ rolando solto, eles compram todo mundo.

É esperar pra ver.

Anônimo disse...

SERÁ QUE O BELTRAME VAI SE ENVERGONHAR DESTE OUTRO CASO, O DO "JÚLIO", E PEDIR TRANSPARÊNCIA?
*************
11/07/2011 17:58
Exclusivo! Cabral e Beltrame gastam R$ 200 milhões com aluguel de carros da polícia

(...)

Basta vocês clicarem no link abaixo, que terão todos os pagamentos da secretaria de Segurança à empresa Julio Simões, mês a mês, e é documento oficial, do Sistema de Transparência Fiscal, da secretaria estadual de Fazenda.
Observem que estes gastos vão de 2 de fevereiro de 2008 a 3 de março de 2011, portanto a esta altura essa conta que sai a R$ 6 milhões por mês, já está na casa de R$ 220 milhões.

http://www.blogdogarotinho.com.br/download/juliosimoes.pdf

PURA HIPOCRISIA ! ! ! disse...

SE GRITAR PEGA LADRÃO . . .

GLADIADOR disse...

Rio - O governador Sérgio Cabral falou pela primeira vez, publicamente, sobre a morte do menino Juan, suspeito de ter sido assassinado durante operação policial, na favela Danon, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. Para Cabral, a investigação deve ser criteriosa, e se comprovada a participação de policiais militares no crime, a punição deve ser exemplar.
"Um caso como esse deve ser rigorosamente apurado, verificado aqueles que cometeram abuso de autoridade, que cometeram crime e afastados para o bem da grande maioria da corporação, que tem feito excelente trabalho", afirmou.

É CABRAL,PIMENTA NO C... DOS OUTROS É REFRESCO NÃO É?